E INTORNO A CHIARA CIVELLO, GIRAVA IL MONDO… L’intervista

  • Rioma
  • 25/12/2013

a cura di ROMINA CIUFFA REPORTAGE (anche su MUSIC IN www.musicin.eu/?p=15153)
1) Videoreportage a cura di Romina Ciuffa
2) Intervista a Chiara Civello di Romina Ciuffa
3) Fotogallery di Romina Ciuffa
4) Tradução da entrevista da Chiara Civello por “Stesa sul Sofà”

2
1 dicembre 2013, Chiara Civello, Blue Note di Milano

21 dicembre, solstizio d’inverno. La notte più lunga dell’anno, quando anche l’alba e il tramonto spostano gli appuntamenti e le dimensioni temporali sembrano tridimensionarsi in uno spazio che unisce Milano, New York e Rio de Janeiro. La notte più lunga perché canta non una, bensì due volte Chiara Civello, Norah Jones italiana, vanto del jazz e della musica leggera, romana, newyorchese d’adozione prima, poi carioca, più semplicemente cittadina di se stessa, Gemelli irrequieta negli ultimi anni abituata ad affinare la propria voce tra le spiagge di Ipanema e Leblon, nella foresta della Tijuca, sotto un Cristo osservatore, oltre le favelas di Gavea.

È Rio – città bossadipendente – che con quell’accostamento jazzy (la bossa non è forse un po’ il jazz brasiliano? Definita tante volte come una miscela di jazz e samba sebbene in maniera semplicistica da studiosi e protagonisti) diversifica ancor di più il jazz di Chiara, appreso in un lungo arco, ben più ampio di quello della Lapa carioca, la Lapa del samba: un arco che dal quartiere Monti di Roma, nella sua Saint Louis College of Music conduce dritto al Berklee College of Music di Boston. Una MPB (Musica Popolar Brasileira) che sa di curiosità e sapere, di Roma, New York, Sicilia, Ginostra e tutte le città di Chiara; che sa di armonizzazione jazz e di una preparazione completa, mai sazia, la continua ricerca; e di una voce che, come poche, può permettersi di scrivere con Ana Carolina, improvvisare al piano Moon River, interpretare di testa sua Jimmy Fontana o Sergio Endrigo anche bloccata, nell’interpretazione, da un nodo alla gola che ferma la chitarra e le fa chiudere gli occhi fino a quando il pubblico del Blue Note – anche i tavoli spagnoli giunti appositamente per lei – non incita: “Brava Chiara!”, e lei: “…ho aperto gli occhi per guardare intorno a me, e intorno a me girava il mondo come sempre”… E intorno a lei gira il mondo, come sempre.

In questo Blue Note, che l’accoglie subito dopo aver ospitato, proprio la sera prima, una Rosàlia de Souza forte – quel precedente brasiliano di grande spessore che calca il medesimo palco a passo di Bossa -, Chiara Civello mira alla corda dell’arco, da dove la freccia scocca, e non al tabellone, perché l’ambizione non è nella mira ma nelle forze. Rioma intervista Chiara.

ROMINA CIUFFA INTERVISTA CHIARA CIVELLO

Oggi, dopo una lunga permanenza in Brasile e nuovi impegni negli Usa, rientri con un volo da New York, tua prima patria in effetti, per fare non uno ma due concerti nella stessa notte, al Blue Note di Milano, dopo tantissimissime date brasiliane: sensazioni… come hai trovato il pubblico italiano? Ho girato molto ultimamente e atterrare al Blue Note è stato bellissimo. Adoro il Blue Note ed ogni anno non posso mancare! Mi trattano sempre benissimo e devo dire che ho trovato il pubblico italiano incredibilmente caldo, attento totalmente con me dalla prima all’ultima nota. Una serata indimenticabile.

Che repertorio hai scelto per questa data italiana di fine 2013, un anno che ti ha visto molto brasiliana? Il repertorio un misto tra mie canzoni e canzoni che amo e che avrei voluto scrivere, che interpreto in modo personale, con la chitarra o con il pianoforte. Questo progetto live è acustico intimo, suono generalmente con uno o due musicisti che creano dei contesti sonori speciali, diversi di canzone in canzone.  Ho scoperto una canzone del 1947 meravigliosa che si chiama “Veleno”. Tradotta in portoghese dal grande Nelson Motta che ne ha fatto ungrande hit in Brasile cantato da Marina Lima.

Lo hai detto anche sul palco milanese, quando hai improvvisato al pianoforte fuori scaletta “Moon River”: sei una gemelli, dunque imprevedibile. E non ti fermi mai. Dove trovi la tua stabilità? In nessun luogo… La stabilità è un concetto che non mi è mai molto appartenuto. Credo sia un’idea, una specie di meta psicologica creata dalla società. Se ci pensi il respiro non è stabile, nulla è stabile, tutto si alterna, cambia e reagisce ai contesti, non trovi?

Trovo… Al Blue Note, in effetti, ti sei fermata: mentre cantavi “Il Mondo” di Jimmy Fontana hai avuto un momento di profonda commozione… puoi raccontare perché, cosa è accaduto dentro di te? Non so, mi è venuto da piangere. Non mi era mai successo prima.

Sei rientrata in Italia dopo una lunga e costruttiva assenza. Hai intenzione di fermarti oltre il Natale? Sì, sicuramente. Devo finire il mio prossimo disco e dedicarmi a tutto ciò che pubblicare un nuovo disco comporta. Concentrazione massima!

A cosa stai lavorando? Sto preparando un disco nuovo di cui sono assolutamente felice. Il disco che avrei sempre voluto fare che avrà un suono e delle sorprese molto molto interessanti. Non voglio anticipare nulla…

Programmi di concerti, apparizioni, date? Per il momento ho bisogno di portare a termine la produzione del disco, poi si vedrà! Comunicherò le date via via…

Nel 2014 ti regali…? Tutto! Non voglio risparmiarmi niente. Voglio stare dove sto bene.

RIOMA GALLERY
Chiara Civello, Milano – Blue Note, 21 dicembre 2013
Foto Romina Ciuffa

riproduzione riservata rioma brasil

TRADUÇÃO DA ENTREVISTA DA CHIARA CIVELLO
AO RIOMA BRASIL
por “Stesa sul Sofà”
 
também ao link http://stesasulsofa.blogspot.com.br/2013/12/entrevista-da-chiara-ao-rioma-brasil.html
 Após os últimos shows em Milão, a Chiara concedeu uma entrevista à Romina Ciuffa, do site RiomaBrasil, onde falou dos shows, da volta à Itália, do próximo álbum e de 2014. Acompanham a entrevista uma galeria de fotos e um vídeo de momentos dos shows no Blue Note.
Abaixo, a tradução do Sofà da entrevista originalmente em italiano:
E EM TORNO DE CHIARA CIVELLO GIRAVA O MUNDO… A entrevista

 

por Romina Ciuffa
21 de dezembro, solstício de inverno. A noite mais longa do ano, mesmo quando o nascer e o pôr do sol mudam de compromissos e dimensões temporais que parecem se tridimensionar em um espaço que une Milão, NYC e Rio de Janeiro. A noite mais longa porque canta, não uma, mas duas vezes, Chiara Civello, a Norah Jones italiana, orgulho do jazz e da música pop, romana, nova iorquina de adoção primeira, depois carioca, mas simplesmente cidadã de onde estiver, geminiana agitada e no último ano habituada a afinar sua própria voz entre as praias de Ipanema e Leblon, na floresta da Tijuca, sob um Cristo observador, e nas favelas da Gávea.
É no Rio – cidade “bossadependente” – que com sua abordagem jazzistíca (a bossa não é senão um pouco o jazz brasileiro? Definida tantas vezes como uma mistura de jazz e samba de certa maneira simplificada por estudiosos e jazzistas) diversifica ainda mais o jazz de Chiara, aprendido durante um longo período, maior ainda do que o arco da Lapa carioca, a Lapa do samba: um arco que de Monti de Roma, na sua Saint Louis College of Music, conduz direto para a Berklee College em Boston. Uma MPB (música popular brasileira) que sabe de curiosidade e aprendizado, de Roma, Nova York, Sicilia, Ginostra e todas as cidades de Chiara; que sabe de harmonização jazz e uma preparação completa mas nunca satisfeita, sempre continuando a pesquisa, e de uma voz que, como poucas, podem se dar ao luxo de escrever com Ana Carolina, improvisar “Moon River” ao piano, interpretar do seu jeito Jimmy Fontana ou Sergio Endrigo, na interpretação, com um nó na garganta que toca violão e faz fechar os olhos até quando o público do Blue Note – até mesmo os espanhóis que reservaram as mesas especialmente para vê-la – não hesita: “Brava Chiara!”, e ela: “…abri os olhos para olhar ao meu redor, e ao meu redor girava o mundo como sempre”…e em torno dela gira o mundo, como sempre.
Neste Blue Note, que a acolhe logo após ter recebido, na primeira noite, uma forte Rosàlia de Souza – aquela anterior brasileira de grande porte que esteve no mesmo palco e seguindo os passos da Bossa Nova – Chiara Civello olha para a corda de seu arco, de onde a flecha parte, e não para o alvo, porque sua ambição não está na mira, mas na força. Rioma entrevista Chiara.
Romina Ciuffa entrevista Chiara Civello
Hoje, depois de uma longa permanência no Brasil e novos compromissos nos EUA, retorna com um voo de NY, tua primeira pátria de fato, para fazer não um, mas dois shows na mesma noite, no Blue Note Milano, depois de tantíssimas datas no Brasil: sensação…o que achou do público italiano? Tenho viajado muito ultimamente e aterrisar no Blue Note foi maravilhoso. Adoro o Blue Note e todo ano não posso perder! Me tratam sempre muito bem e devo dizer que achei o público italiano extramamente quente, totalmente atento a mim da primeira até a última nota. Uma noite inesquecível.
Que repertório está fazendo para essa data italiana do fim de 2013, um ano que te viu muito brasileira? O repertório é uma mistura das minhas canções e canções que amo e que queria ter escrito, que interpreto de um jeito pessoal, com o violão e o piano. Esse projeto ao vivo é um acústico intimista, geralmente com um ou dois músicos que criam um ambiente sonoro especial, diferente de canção para canção. Descobri uma música de 1947 maravilhosa que se chama “Veleno”. Traduzida para o português pelo grande Nelson Motta, faz muito sucesso no Brasil cantada pela Marina Lima. 
 
Você já disse em palcos de Milão, quando improvisou no piano a música Moon River, que é uma geminiana, sempre imprevisível. E não parou mais. Onde encontra sua estabilidade? Em lugar nenhum… A estabilidade é um conceito que nunca realmente me pertenceu. Creio que seja uma ideia, uma espécie de meta psicológica criada pela sociedade. Se você pensar que a respiração não é estável, nada é estável, tudo se alterna, muda e reage ao contexto, não acha?
 
Acho…no Blue Note, de fato, você se estabeleceu: enquanto cantava “Il mondo” de Jimmy Fontana, teve um momento de comoção profunda…pode contar o motivo, o que aconteceu dentro de você? Não sei, cheguei a chorar. Nunca tinha acontecido antes. 
Você retornou à Itália depois de uma longa e construtiva ausência. Tem intenção de ficar durante o Natal? Sim, certamente. Devo terminar o próximo disco e me dedicar a tudo aquilo que envolve lançar um novo álbum. Concentração máxima! 
Está trabalhando em que? Estou preparando um novo disco e estou absolutamente feliz. É o disco que sempre quis fazer e que terá um som e surpresas muito interessantes. Não quero antecipar nada…
Programação de shows, apresentações, datas? No momento preciso terminar a produção do álbum, depois veremos! Comunicarei as datas aos poucos…
Que 2014 te dê…? Tudo! Não quero poupar nada! Quero estar onde estou bem. 

logorioma low

Previous «
Next »

5 thoughts on “E INTORNO A CHIARA CIVELLO, GIRAVA IL MONDO… L’intervista

Comments are closed.